Mundo Equestre Particular #5

Porque SIIIIMMMM, a saga do Mundo Equestre Particular voltoooou! 
(A pedidos do Cacau, meu grande amigo e que segue a saga de perto, e porque meu cavalo voltou a ser teimoso bacarai!!!)
AEEEEE!!!

Eu fui criada acreditando que o mundo do cavalo era um mundo disney! Apesar de eu ser sido criada como uma princesa mais roots (like Valente), eu sempre acreditei naqueles filmes fofinhos de que o cavalo possuído ficava manso apenas ao receber e sentir o amor de sua tutora… 
E como diz Marido para mim: “Acorda, pudinzão*!”
Pois é, aprendo a duras penas, lendo muitos livros, vendo muitos vídeos e convivendo com meu cavalo que o mundo não é disney… o mundo é HARD!!! Que sempre que meu cavalo faz algo errado para a minha pessoa, a culpa é MINHA e não dele e que ele não tem a sagacidade e nem magia das fadas para sacar o que eu quero… 
Sorry but it’s true. 
O grande problema da minha díade equina deve-se ao fato de não decidirmos se castraremos ou não o meu cavalo, bem como sempre achamos ou melhor não achamos que o adestrador é experiente e racional o suficiente para domá-lo para montaria.

Pausa rápida: Meu cavalo é dócil, anda de cabresto, deixa fazer as patinhas (casquear), dar banho, porém nunca recebeu sela e não sou EU que vou montar primeiro, digamos que por motivos óbvios de eu querer manter meus dentes ou meus ossos intactos. Obrigada.

Então ficamos nessa lenga de treiná-lo para ele não redescobrir seu lado selvagem porém sem dar um passo além que é a montaria em si. 
Hoje eu especial ocorreu que ele me mordeu de novo. Sim, meus caros. Mas na verdade ele não vinha me mordendo há mto tempo, estávamos super nos entendendo, mas não tive a sagacidade de compreender o ambiente mais rápido e tomei a mordida. 
Por ter éguas no cio no piquete próximo, e um cavalo inteiro (não castrado) recém chegado e também próximo, meu cavalo estava enlouquecido nas trevas! E até que ele foi bonzinho porque me deixou colocar cabresto e arrumar sua crina, porém nada mais e quando tentei algum outro cuidado = “NHAC!!!!!! Sai daqui humada do carai!!!! Não me deixa dar umas bimbadinhas por ai e também não me castra!!!! Sua louca!! te odeio!!!” (Meu cavalo, 2015.)

Enfim, a culpa é minha né gente? Fica o esfolado na perna para eu me lembrar de:
A) Analisar o ambiente ANTES de fazer qq coisa.
B) Decidir DE UMA VEZ sobre a castração.
C) Arrumar O MAIS URGENTE POSSÍVEL um adestrador decente.
D) Descer do pé de alface, pq essa vida de Alice sonhado está me machucando literalmente.

*Pudinzão = Apelido irônico que marido me deu por motivos de: eu chorar até assistindo Sílvio Santos.  

Anúncios

The wind of heaven is that which blows between a horse’s ears.

Arquivo pessoal

Side by side – Arquivo pessoal

O bacana de se ter/conviver com um cavalo é o fato d’Ele te ensinar milhões de coisas… Eu, além de ser psicóloga e horseaddict, sou uma defensora da Equoterapia, acredito no trabalho, já atuei um bom tempo na área e vi os inúmeros benefícios que ela traz.
Mas não apenas a terapêutica em si, que tem que ser realizada por profissionais qualificados para tal #Dik, mesmo o simples contato com os cavalos contribui muito para seu auto conhecimento e conquistas pessoais.
Desde que compramos meu cavalo tenho aprendido a superar limites que nem imaginava tê-los e não estou falando quanto à montaria ou esporte equestre, mas de vivência como Ser Humano, a rever qualidades e dificuldades que possuo no meu dia a dia.
Ele me faz ter mais paciência e a esperar o tempo do outro, a controlar minha ansiedade e afobação que sempre me geraram problemas.  Eu simplesmente não tenho como chegar no sítio e obrigar meu cavalo a fazer o que eu quero, ele tem o tempo e a rotina dele. Logo, espero ele se lembrar do meu cheiro, ver se tem algum material novo por perto, se lembrar dos materiais rotineiros e me permitir entrar em seu mundo, sim, ele está no habitat dele e não no meu, apesar de muitos pensarem o contrário apenas pelo fato dele ser “domesticado”.
Então inicio minha aproximação, coloco o cabresto para ele perceber que chegou o momento de contato com o humano, inicio a escovação, vejo se ele está com algum desconforto, verifico qualquer mudança física ou em seu comportamento, uma vez que ele me sinaliza o que anda acontecendo por ali na minha ausência, limpo suas ranilhas (embaixo do casco), começo a conduzi-lo na guia e o solto um pouco no pasto para correr mais a vontade enquanto limpo seus aposentos e troco sua água.
Ou seja, ele me ensina a ter uma rotina, uma responsabilidade, uma troca, uma cumplicidade. Ao me permitir essa proximidade ele me diz na verdade que confia nos meus cuidados e no meu timing.
Outro ponto interessante é que ele me faz reconhecer meus erros, me ensina a assumir a culpa quando algo está errado e não arrumar justificativas por ai. Quando ele se comporta de um jeito inadequado comigo aprendi – também com a ajuda continua do marido (que se tornou um ótimo horsemanship) – a analisar meu comportamento e verificar o que eu fiz para ele responder assim, simplesmente parei de achar que ele agia assim por ser um animal, como se o desvalorizasse, e passei a perceber que ele reage ao seu ambiente e comportamentos de terceiros assim como nós humanos #DealWithThat
Ou seja, dia a dia, refletindo com os acontecimentos e com os comportamentos um do outro vou percebendo o que eu preciso melhorar, assumindo minha responsabilidade de mudança e tentando levar isso para minha rotina.
Eu não vou me estender e falar de outros inúmeros aprendizados que tenho percebido, até porque quero deixar um gostinho para vocês conhecerem esse encantador mundo dos Equinos e encontrarem seu reflexo nesses animais tão magníficos.

Mundo Equestre Particular #4

Acho que finalmente estamos evoluindo! Ao chegar no sítio, Cavalo relincha ao nos ver demonstrando que passa a nos ter como parte de sua tropa. Parou com as mordidas malignas e mantém apenas as mordiscadas suaves de “você pertence ao meu bando, chega aqui!“. E voltou a permitir proximidade e afeto (oooooin), parando com os episódios de birra-no-chão.
Acho que a novena deu certo e o encosto do obsessor-cavalo-revoltado foi doutrinado e deixou meu neném mais sossegado. #GlorificaDePé.
É claro que falta muito trabalho e ainda mais dedicação, mas perceber que Cavalo considera eu e marido como seus trutas já nos é um imenso avanço!
E vendo nossa interação atual, já deu para perceber como será quando marido e eu tivermos nossos filhos.
Marido sendo o que coloca ordem na casa e disciplina as crianças e eu sendo o pudinzão que não aguenta um olhar pidoncho que sede toda a hora, tanto que Cavalo já respeita mais Marido do que eu, afinal ele já descobriu quem é o molóide no bando: EU.
E como eu sei disso? Quando Marido está fazendo o treino com ele, ele foge e vem em minha direção com aquele olhar lânguido de ‘me tira daqui, não quero ficar correndo, mamãe.“. Ou seja, já é um treino para quando a família crescer.

E agora deixo um vídeo de como eu espero que meu bebê humano seja e só me faltava ele não gostar de cavalos. humpft.

Mundo Equestre Particular #3

"Eu que mando! Há" (Meu Cavalo, 2014)

“Eu que mando! Há” (Meu Cavalo, 2014)

Ai gente, não quero falar do meu cavalo hoje porque estou frustrada, então vamos falar sobre Estatística Não Paramétrica que terei que usar na pesquisa clínica que realizo no hospital porque meu N ainda está pequeno… YEYYYYY!!!!!
Tá bom, eu falo do cavalo… #mimimi
Resumo do encontro:
Nessa: – Vou trocar sua água, Cavalo, porque está imunda.
Cavalo: – Não vai não! NHAC!!!!!!!!
Nessa: – Ai cavalo, não fode… Me morder de novo? Eu preciso dos meus braços para trabalhar! Calma ai que vou pegar um band aid e já volto!
Cavalo: – Pegue vários #Dica
Nessa: – Voltei, Cavalo!
(Cavalo fazendo cara de trombadinha faltando apenas uma toca ninja em seu focinho.)
Nessa: – Vai Cavalo, vai para o piquete então! Be free and Wild! Afinal, disso vc entende! humpft.
Abro a porteira do piquete, ele sai e eu fecho a porteira para ele não voltar na baia de novo e não me agredir. Troco a água… quando vou colocar a água no cocho eu viro o latão sem querer (óbvio!) em cima de mim!
Yey!!!! Encharcada de água equina. YEY!!!!
Vou, arrumo tudo de novo, dessa vez sem derrubar, deixo a baia aberta, abro o piquete, subo na mureta que separa os espaços e observo ele pastar como se não houvesse amanhã
Fim.
Deu para entender que não tenho nada de Horse Whisperer, que estou mais para Didi Mocó dos Trapalhões. Mas precisava ser assim?
É como aquelas pessoas que dizem: Amo crianças e me dou super bem com elas, menos meu filho que me morde. ¬¬’
Mas eu não vou desistir! Comprarei mais band-aids e acompanharei o horsemanship (da doma racional) até termos resultados positivos! #TenteOutraVez #TocaRaul

Mundo Equestre Particular #2

"Rachei o bico da sua cara Humano! Há!" (Meu cavalo, 2014)

“Rachei o bico da sua cara Humano! Há!” (Meu cavalo, 2014)

Porque eu ia chegar aqui toda pimpona só para dizer o quanto meu cavalo melhorou em dois dias de treino, que ele reduziu as mordidas, está mais obediente, calmo e carinhoso…
Mas enquanto eu ensaiava o texto em minha cabeça, aos 47 do segundo tempo do treino de hoje, simplesmente baixou o exu-equino nele e NHAC na minha mão. E posso dizer que foi um NHAC foderoso!!!
Apesar de eu não ser uma psicóloga de cavalos, eu estou tentando perceber, em seu comportamento e seu ambiente, o que está causando essas respostas de cavalo-trombadinha nele…
Já percebi que são sempre associadas à cenoura e que se acentuaram muito após ele ter se tornado o REI do local onde ele está… Acredito que tenha a ver ainda com a maturação sexual dele, afinal o meu bebê já está entrando na adolescência equina. Oinnnn. #MamãeFrustradaMasMamãeOrgulhosa
Ele até veio fazer um chamego em mim, depois que eu suturei a lembrancinha que ele deixou na minha mão, mas não quis fazer a mulher de bandido, que aceita chamego depois de apanhar e encerramos o treino. Afinal, eu preciso das minhas mãos para trabalhar.
Apesar dos pesares, acredito que ele melhorou sim! #MamãeComFé
E tem uma índole ótima, apenas tem vícios de cavalo inteiro e sem treino concluído que já eram esperados. #mimimi

Mas continue ai, meu caro leitor, para você saber mais aventuras minhas, do marido e do nosso cavalo-rebelde-sem-causa-mas-amoroso

Mais uma horseaddict

Imagem meramente ilustrativa

Imagem meramente ilustrativa

Porque assim, como vocês viram no post abaixo, eu tenho um cavalo…
Depois eu conto sobre minha história em querer um cavalo… Mas acontece que atualmente, e finalmente, eu tenho um!
E segundo meu marido: eu penso que o mundo animal é um mundo Disney.
Pq ele diz isso? Pq eu realmente achei que após eu ganhar um potro, não domado AND inteiro (garanhão), ele ia simplesmente me amar. #DoceIlusão.
Atualmente eu o trouxe para perto de mim, em um lugar amplo, com um piquete apenas para ele, uma baia arejada, tudo o que ele pediu ao Deus dos Cavalos, AND ele é o único ali, até tem cavalos perto, mas em seu perímetro equino ele é o REI, o filho único mimado, e sendo assim, ele manda em tudo! Caso, eu, com minha inocente tentativa, chego perto do espaço dele ou tento colocar alguma ordem, o que ele faz? Obedece? Nãooooo, ele… ME MORDE!
Talvez eu deva o trazer para casa para servir de cão cavalo de guarda ao invés do meu Doberman, pq né? ¬¬’
Agora visualiza uma pessoa frustrada, que a vida inteira conviveu com os cavalos alheios e foi amada por eles e quando finalmente tem um para chamar de seu, ele te vê como uma cenoura gigante.
É como aquela mãe frustrada que faz tudo para seu filho e ele ainda samba na sua cara. Pois bem, o meu cavalo samba na minha cara. ¬¬’
Ok, eu sei que vc está ai pensando: Mas Nessa, ele é cavalo novo, sem domar, inteiro, e o REI do pedaço em que vive, é lógico que ele te considera um ser inferior ou apenas um torrão de açúcar, relaxe.
E eu tento, viu! E é por entender e descontruir o meu mundo Disney equino ~graças ao marido ~ é que começaremos a doma racional no meu cavalo, além de tentar fazer uma corrente de ORAÇÃO para ver se ele passa a me amar pelo menos um tiquinho como eu o amo. :3